Imagem por wal_172619 no Pixabay.

maio 24, 2021 | Repercutindo Ciência

Impacto do Clima no Desempenho de Corrida

Reproduzido por Rodrigo Fava Neto

Este conteúdo é uma reprodução de partes do artigo científico entitulado “Impact of Weather on Marathon-Running Performance”, que quantificou o impacto do clima no resultado de maratona de diferentes grupos de corredores.

O artigo foi publicado em 2007, disponível no site Medicina e Ciência em Esportes e Exercícios, link no final do texto.  Se você gostar dos trechos que transcrevi aqui, recomendo a leitura integral.

leitura de aprox 5 minutos.

Uma maratona de 42 km está entre as provas de endurance mais fisiologicamente exigentes do mundo. Os corredores competitivos normalmente mantêm um ritmo correspondente a 70-90% de sua capacidade aeróbica máxima por mais de 2 horas. Na eficiência mecânica máxima, mais de 80% da energia necessária para essa tarefa é transferida como calor para o centro do corpo. 

Além disso, a taxa de produção endógena de calor associada a uma maratona de 2 h 10 min estimada a partir das equações comuns de equilíbrio de calor é de aproximadamente 1400 kcal / hora. Este calor metabólico deve ser dissipado para o meio ambiente, ou a temperatura corporal aumentará para níveis fisiologicamente perigosos.

A temperatura do corpo é independente do clima até uma certa faixa de temperatura.  E atividades envolvendo taxas metabólicas mais altas requerem uma faixa de temperatura menor. 

Assim, o clima começa a afetar as respostas fisiológicas ao exercício em temperaturas relativamente mais baixas durante atividades que geram alta taxa metabólica em comparação com aquelas que geram taxas metabólicas mais baixas.

Para evitar os perigos à saúde, a National Collegiate Athletic Association (Estados Unidos) tem entre as suas diretrizes a recomendação de que  corridas de distância (> 16 km (10 milhas)) não devem ser realizadas quando a temperatura WBGT  (wet-bulb globe temperature) exceder 28 ° C (82,4 ° F). 

É importante lembrar que o estudo foi feito utilizando uma medição de temperatura que já considera humidade, vento, e incidência de sol, a WBGT.

O termômetro que temos em casa normalmente não considera humidade, por exemplo, que é um dos fatores que altera a nossa percepção de calor.

O corpo humano normalmente se esfria pela transpiração ou suor. O calor é removido do corpo pela evaporação desse suor. No entanto, a alta umidade relativa reduz a taxa de evaporação. Isso resulta em uma menor taxa de remoção de calor do corpo, e eventual superaquecimento.

O índice de calor foi criado para expressar o resultado combinado de temperatura e humidade no corpo, vide tabela abaixo. 

Índice de calor em Celsius, considerando temperatura e humidade

(U.S. National Oceanic and Atmospheric Administration)

Índice de calor em Fahrenheit, considerando temperatura e humidade

(U.S. National Oceanic and Atmospheric Administration)

O principal achado deste estudo foi que há uma diminuição progressiva e quantificável do desempenho da maratona conforme a temperatura aumenta de 5 para 25 ° C.

Os resultados da maratona e os dados meteorológicos foram obtidos para as maratonas de Boston, Nova York, Twin Cities, Grandma’s, Richmond, Hartford e Vancouver para 36, 29, 24, 23, 6, 12 e 10 anos, respectivamente. Os resultados da corrida foram divididos em grupos com base na temperatura (Q1 até 10° C, Q2 até 15 ° C, Q3 até 20 ° C, e Q4  até 25 ° C) e comparados ao Q0 até 5° C.

Para quantificar o impacto da temperatura no desempenho dos primeiros colocados, o tempo médio dos três primeiros foi classificado. Esta abordagem revelou que os homens de elite foram 1,7 ± 1,5, 2,5 ± 2,1, 3,3 ± 2,0 e 4,5 ± 2,3% (média ± DP) mais lentos do que o recorde do percurso.

O impacto é maior sobre os corredores mais lentos. A comparação dos finalistas do 25º, 50º, 100º e 300º colocados com o recorde atual do curso masculino mostrou que seu tempo de desempenho diminuiu 2,6, 3,5, 4,9 e 7,9% entre a primeira e a quarta faixa de temperatura.

Embora não seja foco deste estudo, dá para imaginar que os princípios básicos do impacto do clima se aplicam a outras modalidades esportivas de longa duração, e mesmo àquelas que sejam recreativas.  

Importante: ajustar as expectativas, praticar esporte com conhecimento, se divertir e ganhar em saúde.

link para o artigo original.

Siga-nos

Artigos Relacionados

Relacionados

Sono e Atividade Física

Imagem por André Figueiredoe Free Fotos no Pixabay.O Artigo principal que trazemos é um estudo da relação de longo prazo entre Atividade Física e Qualidade do Sono, publicado em 2018 na Biblioteca Nacional de Medicina (EUA). Mas como ambos Dormir e Atividade Física...

ler mais